sábado, 12 de novembro de 2016

O Beijo de uma Saudade



Ela passeava todos os dias pela praia. Trazia nos olhos gotas de saudade que escorregavam pelas suas faces rosadas. Nada e ninguém perturbava o seu caminhar lento… sentava-se na areia e observava a ondulação do mar. Olhava… contemplava… chorava… sorria! Um emaranhado de sentires que só ela entendia.

O sol era o casaco que lhe aquecia a alma e as brisas da tarde eram as mãos que lhe afagavam as tranças dos seus devaneios. Os murmúrios do mar, a canção das gaivotas enchiam-lhe o peito de lembranças. Mas a vida não era uma primavera, ela sentia o inverno da solidão, mesmo que aparentemente despontassem flores no seu sorriso e do lago dos seus olhos sobressaísse uma mansuetude profundamente harmoniosa. 


Quando o sol beijou o mar e azulou, levantou-se, enxugou as lágrimas e os sorrisos. Do bolso do seu casaco alaranjado, tirou uma folha de papel com o poema mais sublime que havia escrito naquela tarde de sonhos e solidão.

Princesa do Mar

3 comentários:

AC disse...

Há vida para lá da praia.
Como sempre, as palavras são tecidas em grande harmonia.

Um beijinho :)

© Piedade Araújo Sol disse...

passo sempre por aqui, embora não deixe meu rastro, mas gosto muito dos textos poéticos sempre escritos de maneira muito harmoniosa e ternurenta...

bom fim de semana..

beijos

:)

Mar Arável disse...

Palavras mais leves que as cinzas

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...